O Tremor volta em 2021 a São Miguel, nos Açores

Neste ano, a duas semanas do início da 7ª edição, o mundo trocou-nos as voltas e tivemos que adiar o nosso encontro anual. 2021 ainda nos parece longínquo e incerto, mas ao longo destes dias têm crescido em nós a força e a certeza de fazer o Tremor em 2021. Será, com certeza, um Tremor diferente no formato, mas fiel à sua missão enquanto catalisador de experiências.
 
O Tremor manterá o mesmo espaço para os concertos, a descoberta do território, a criação artística inclusiva, o diálogo com a memória e tradições açorianas, o inesperado, o surpreendente e a descoberta. Que continue a ser uma forma de contar histórias dos Açores e de gerar comunicação positiva, afecto pela cultura e impacto económico e turístico. Em 2021, trabalharemos para desenhar um Tremor que possa continuar a ser um momento de encontro, festa e sobretudo, alegria.
 
A data será diferente da habitual. Tendo em conta as contingências atuais, a incerteza do momento em que serão levantadas as restrições com viagens entre diferentes territórios, sentimos que o período em que usualmente decorre o festival, na semana anterior à Páscoa, poderá acarretar um risco elevado à realização do festival. Assim sendo, o Tremor acontecerá no final do verão, de 7 a 11 de Setembro de 2021.
 
De momento não vamos disponibilizar mais bilhetes para venda ao público. Esta é uma medida de contingência, que nos permite trabalhar respeitando as medidas relativas à lotação dos espaços de acordo com a legislação em vigor.
Os únicos bilhetes disponíveis para a edição de 2021 são os dos portadores de bilhete da edição 2020 que decidiram não proceder à devolução do mesmo nos prazos estabelecidos aquando do cancelamento. Os portadores destes bilhetes não necessitam de realizar qualquer ação. Os bilhetes comprados na BOL, FNAC, CTT, La Bamba e restantes pontos de venda transitam automaticamente para a edição 2021. Apenas têm de apresentar o mesmo bilhete que adquiriram em 2020 na bilheteira da edição 2021. Os portadores de bilhete que pediram reembolso têm os seus bilhetes anulados para a edição de 2021. 
Caso o futuro o permita, iremos colocar à venda os restantes bilhetes, até à lotação usual do festival, contudo de momento trabalhamos com estas condicionantes, exercitando segurança e respeito por todas as normas de saúde pública. Esta situação está sujeita a atualização.
 
Continuaremos a trabalhar e muito brevemente, voltamos com mais informações sobre a edição 2021 do Tremor Festival. Até lá, fiquem connosco. Cuidado, Saúde e Amor. #tremoréamor 

Epicentro: Milagre

27 SETEMBRO 2020 - 10 JANEIRO 2021
Arquipélago – Centro de Artes Contemporâneas

Epicentro: Milagre é uma exposição colectiva que aborda a forma como a especificidade geográfica da ilha molda uma identidade cultural. Com curadoria do Tremor Festival, a exposição ocupa o espaço expositivo do Arquipélago com  artistas que trabalham o som, a fotografia, o cinema e a instalação e incorpora visões e experiências documentais, ficcionais e imersivas. Os três meses de permanência serão acompanhados por um programa performativo e de serviço educativo

Exposição com obras de: Berru, Francisco Lacerda, João Ferreira, Tito Mouraz, Vincent Moon e Priscilla Telmon.

Nos Açores, numa época em que a terra treme todos os dias, diz-se iminente o surgimento de uma nova ilha. O milagre de um novo território potencia um novo futuro, ainda que a transformação do planeta pelas mãos do homem, nos empurre para a submersão da terra, o fim do mundo e o absoluto desconhecido. Vive-se dentro de uma beleza sem contenção, um paraíso vulcânico erguido pelo avassalador poder da natureza, mágico e inesperado. 

A natureza, as pessoas, as tradições e a história ligam-se numa fascinante geografia de jogos de força. Tremores de terra e vulcões, mar que não falha mas não perdoa, ventos, chuvas e brumas que aparecem como ameaças de transformação de um mundo seguro e reconhecível. Teme-se a morte da terra e a sua irreversibilidade, e nisso, define-se uma matriz identitária que luta com a força das mãos contra a instabilidade, a insegurança e as incertezas da vida e dos elementos.

Rituais seculares juntam comunidades em torno de práticas de fé e crença para resistir às adversidades e ao desconhecido da Natureza. Homens e mulheres iniciam-se em promessas, cultos, ritos, elogios e rezas a deuses e lugares. Fazem-no como forma de explicar o mundo, forma de interpretar os sinais do alto, forma de aguentar os sinais dos tempos.

Procissões, impérios, peregrinações, danças, cantos, a adoração a imagens encontradas no mar - tradições de imersão e culto, redenção e protecção, medo e castigo.

Epicentro: Milagre não cabe nos limites do que conhecemos das leis naturais, deslizando, por isso, para a fé, a crença, o delírio, a imaginação sobre a criação e destruição da natureza e da cultura, o espantoso divino, tremor, terror e “seja o que deus quiser”. A exposição olha a forma como a especificidade da ilha molda uma identidade cultural, a açorianidade à imagem de Vitorino Nemésio, apresentando artistas cujas obras e pesquisas incorporam o documental, o ficcional, a fantasmagoria ou o convite à imersão.

Artistas que trabalham o som, a fotografia, o cinema e a instalação como disparadores do processo criativo e que foram desafiados para residências artísticas, experimentação e investigação, produção de pensamento e performance, para criar uma pluralidade de perspectivas sobre este território natural e cultural.

São olhares de dentro e de fora, os que agora tomam de ataque o Arquipélago, como epicentro expositivo e performativo. Exploram as suas dimensões de criação e apresentação artística, contribuindo para a reflexão e confusão sobre o que achamos que sabemos da ilha onde temos pés e criam um conjunto incompleto de milagres dos Açores que renovam e expandem um acervo de arte contemporânea. 

  • BERRU

    BERRU

  • JOÃO FERREIRA

    JOÃO FERREIRA

  • TITO MOURAZ

    TITO MOURAZ

  • FRANCISCO LACERDA

    FRANCISCO LACERDA

  • VINCENT MOON

    VINCENT MOON

  • PRISCILLA TELMON

    PRISCILLA TELMON

  • Quando acontece o Tremor 2021?
    O Tremor 2021 decorre de 7 a 11 de Setembro, na ilha de São Miguel, nos Açores.

    Como chegar ao Tremor?
    São Miguel fica à distância de um voo de duas horas, a partir de Lisboa ou do Porto; e de um voo de seis horas, desde Boston.
    O Aeroporto João Paulo II, em Ponta Delgada, está apenas a dez minutos do centro da cidade e é servido por várias companhias aéreas nacionais com voos de conexão directos. 

    Onde posso comprar bilhetes para o Tremor?
    De momento não estão bilhetes à venda.

    Quando é comunicado o cartaz final do festival e a distribuição do programa por dias e espaços?
    Nos primeiros meses de 2021.

    Existem restrições de idade?
    O Tremor 2021 é um evento para todas as idades. É permitida a entrada a crianças a partir dos 3 anos, quando acompanhadas pelos pais.  A compra de passe individual é obrigatória a partir dos 12 anos.

    Como funcionam os bilhetes e as pulseiras?
    Cada passe/bilhete individual deve ser trocado por uma pulseira oficial Tremor 2020, que por sua vez deve ser colocada no pulso por um membro da organização/bilheteira. O Tremor 2020 não aceita reservas, não dispõe de bilhete diário, bilhetes específicos para um só concerto, nem de tarifas especiais para grupos. A troca de bilhete por pulseira acontece de 30 de março a 4 de abril, nos seguintes locais e horários:

    TROCA DE PULSEIRAS / Wristband exchange:
    A anunciar em 2021.

    Qual é a dinâmica do festival? Quanto tempo duram os concertos?
    O Tremor é um festival que convida o espectador a fazer escolhas, a traçar um roteiro artístico entre as diferentes propostas artísticas e a descobrir novos artistas, a ilha e as suas comunidades. É impossível ir a tudo, muitos concertos e actividades acontecem simultaneamente, e desencorajamos a tentativa de passar por todas as salas de espectáculos para garantir uma experiência mais rica. Cada espaço tem uma lotação limitada, e a sua sobreposição permite ao público ter acesso sempre a algo para ver. Os concertos duram em média 45 minutos, podendo oscilar consoante o artista e o repertório.

    Preciso de alugar um carro?
    Cada um decide se o deve ou não fazer, embora aconselhamos a fazê-lo, porque o carro é de facto o meio de transporte mais indicado para viajar na ilha. Com um carro, é possível deslocar-se para todos os locais – espalhados por São Miguel – onde todas as actividades do festival acontecem. No sábado, dia 4 de abril, o festival centra-se em Ponta Delgada, onde tudo está a poucos passos de distância. Aqui, também se encontra uma óptima selecção de restaurantes e hotéis.
    A Wayzor é a rent-a-car oficial do festival, pelo que todos os portadores de uma pulseira Tremor 2020 têm vantagens na aquisição deste serviço. Condições e reservas aqui.

    Há serviços de transporte público?
    O aeroporto de Ponta Delgada apenas tem disponíveis táxis e serviços de rent-a-car. O centro da cidade é servido por um sistema de mini-bus. A ilha é servida por uma rede de transportes que viaja para locais como Sete Cidades, Furnas, Ferraria, Vila Franca do Campo, Nordeste, Povoação, Ribeira Grande, ainda que os horários sejam muito limitados. Mapas de rotas e informações adicionais sobre transporte público estão disponíveis no Posto de Turismo de Ponta Delgada, na Avenida Marginal.

    Há autocarros para os concertos?
    A organização do festival poderá disponibilizar transfers para alguns concertos, se os mesmos ocorrerem fora de Ponta Delgada, em outros concelhos da Ilha de São Miguel. Essa situação não se aplica às sessões Tremor na Estufa. Horários e preços serão divulgados brevemente.

    Onde devo alojar-me?
    A grande parte das actividades do Tremor decorrem em Ponta Delgada, aconselhamos por isso a estadia na cidade. De notar que, a ilha oferece possibilidades incríveis de alojamento, para todos os bolsos e tipos de experiência, que podem ser consultadas na secção DICAS. O festival não dispõe de parque de campismo, no entanto,  a ilha tem diversos parques de campismo que podem ser consultados aqui.

     

    O que é o Tremor Todo-o-Terreno?
    O Tremor Todo-o-Terreno é um conjunto de experiências site-specific que convidam o público a fazer percursos pedestres surpresa e a descobrir composições musicais originais, gravadas e tocadas ao vivo por artistas convidados. A participação é de inscrição obrigatória e com lotação limitada por ordem de chegada. As inscrições abrem a 24 de março, às 10h00 (hora dos Açores), e serão divulgadas em todas as plataformas digitais do Tremor. Cada pessoa pode inscrever-se apenas numa sessão. Na noite anterior ao evento, é enviado um e-mail aos participantes com o local e a hora de partida, e as necessidades específicas a ter em conta para participar neste percurso pedestre. 

    O que é o Tremor na Estufa?
    O Tremor na Estufa é um conjunto de concertos surpresa em locais da ilha. Os nomes dos artistas são anunciados no alinhamento geral do festival, mas não lhes são atribuídos o local e a data de actuação. O local surpresa é revelado através das plataformas digitais do festival (website, app e redes sociais), às 11 horas do dia de cada sessão. Cada participante deverá chegar ao concerto com transporte próprio. 
    Para boleias e partilha de carro, sugerimos tomar como ponto de encontro o Parque de Estacionamento da Madruga, Av. Antero de Quental, Ponta Delgada.
    Aconselha-se a levar guarda-chuva, casaco, capa de chuva, sapatos e roupa confortável. É obrigatório apresentar um documento de identificação pessoal e é expressamente proibido beber e fumar nos locais, bem como levar bebidas e alimentos. A entrada pode ser sujeita a revista.

    O que é o Mini-Tremor?
    MINI-TREMOR powered by AC Cymbrom, S.A é um programa para miúdos e graúdos com propostas de instalações artísticas, performances, jam sessions de dança e música e uma demonstração de skate, a decorrer no Estúdio 13 e Black Sandbox Skate Park.  A entrada é livre, mediante a lotação dos espaços.

    Existe alguma actividade de entrada livre?
    A anunicar em breve.

    Aceitam cartões de crédito ou de débito?
    O pagamento de passes individuais é feito em numerário. Apenas alguns bares e locais aceitam pagamentos com cartões de débito e principais cartões de crédito. O centro de Ponta Delgada e um pouco por toda a ilha dispõe de inúmeros bancos e pontos com caixas ATM.

    Haverá álcool em todos os eventos? É possível fumar no interior?
    A maioria dos locais tem um bar com bebidas disponíveis. No entanto, alguns espaços não servem álcool, nem o seu consumo é permitido nas instalações. O mesmo se aplica a fumar, que varia de um lugar para o outro. As regras de cada local estão devidamente sinalizadas.

    E quanto a segurança e necessidades médicas?
    Se precisares de atenção médica, informa um elemento da organização ou um membro da equipa de segurança no local, para que sejam tomadas as devidas providências.

    Posso voluntariar-me para colaborar com o Tremor?
    A anunciar em breve.

    Sou jornalista e quero cobrir o festival, como faço?
    Jornalistas devem contactar a equipa de comunicação do festival, apresentando o meio para o qual escrevem, uma proposta de cobertura do festival e/ou o conteúdo a desenvolver antes, durante ou após o festival. As propostas deverão ser encaminhadas para tremorpress@gmail.com. O número de passes de imprensa é limitado devido à lotação muito pequena do festival.

    Sou artista; tenho uma banda; quero fazer uma proposta de parceria; tive uma ideia para apresentar ao Tremor; tenho um espaço para concertos. Com quem falo?
    Propostas deverão ser dirigidas à equipa de curadoria e organização – info@tremor-pdl.com – até 10 Dezembro anterior ao festival. Cada proponente terá uma resposta de acordo com o programa da direcção artística definido para cada ano, propostas que entrem depois dessa data serão avaliadas para o ano seguinte.

    Cuidados de Saúde 
    O Tremor está atento a todas as recomendações e directrizes que a DGS e as restantes entidades competentes têm dado quanto aos procedimentos a seguir para evitar e prevenir a possível propagação de COVID-19 em eventos. O festival está já a realizar as diligências necessárias para, durante o evento, aplicar as regras e recomendações que a DGS e a OMS determinarem, à altura, como sendo as mais adequadas para evitar possíveis contágios. Estas recomendações podem ser consultadas em detalhe no site da instituição, sendo que, à data, as mesmas se prendem, sobretudo, com os cuidados a ter na higienização do espaços. O mesmo site contém ainda recomendações dirigidas aos cidadãos, as quais aconselhamos consulta.

    Ainda não encontraste uma resposta para a tua pergunta?
    Se precisares de mais informações ou tiveres dúvidas adicionais, consulta a secção “Dicas” ou contacta-nos por e-mail: info@tremor-pdl.com.

    barra_fullhd.png
    Subscreve a nossa Newsletter:

    Obrigado pela subscrição!

    Upss, algo correu mal!